domingo, 2 de fevereiro de 2014

Interativo: Love The Way You Lie - Capítulo único


Comia alguma besteira na cozinha, enquanto escutava o barulho da TV ligada. A campainha tocou e soou alto dentro do apartamento, caminhei ansiosamente até a porta, esperando desesperadamente que fosse Zayn.

Conecto meus olhos ao olho mágico, assim eu o vejo, encostado na porta, me permitindo apenas ver seu cabelo, eu sorri enquanto abria a porta, seus olhos encontravam com os meus como um choque, então percebo o contorno vermelho em volta de seus olhos cor de mel e a garrafa de bebida em torno de sua mão.

- Zayn?! O que houve?! - exclamo cuspindo as palavras sobre ele, Zayn em resposta, resmunga alguma coisa impossível de decifrar.

Zayn cambaleou até o sofá, foi quando percebi que seu braço sangrava, puxei-o e ele me fitou.

- o que foi mulher? - ele pergunta o halito de álcool invadi meus pulmões, o que me faz tossir.

- que droga você fez no braço? - me peguei perguntando se ele era capaz de responder a essa pergunta.

- não foi nada. - respondeu curto e grosso, eu suspirei revirando os olhos, larguei seu braço e caminhei entre a sala, parando na frente da porta, quando ouvi sua voz. - volta aqui! - ele ordenou.

- o que você quer? - eu perguntei devolvendo seu tom de voz firmemente.

- venha aqui! - ele ordenou novamente, larguei a maçaneta,caminhei até ele, assim que me aproximei ele me puxou, batendo firmemente no meu rosto. Eu o olhei fixamente, deixando uma lágrima de ódio escorrer enquanto minha mão ocupava o lugar onde ele havia acertado.

Sem dó nem piedade ele me acertou novamente, dessa vez do outro lado da minha face, e eu idiota cedi, deixei que as lágrimas escorressem.

- que você aprenda. - ele disse raivoso e extremamente calmo. - a nunca mais fazer isso.

- a fazer o que?! - eu gritei o empurrando.

- responder desse jeito. - ele gritou me empurrando de volta, me fazendo chocar contra a parede. Ele saiu da sala, e eu segui seus passos até a cozinha, quando a raiva explodiu em mim.

- você pensa que é quem pra fazer isso?" - eu o empurrei com tanta força que o fez cair sobre a mesa, ato que me surpreende por que eu sou fraca até demais.

- quem você pensa que é pra fazer isso? Hein? Me diga Seunome. - ele se levantando devagar da mesa, direcionando a garrafa em minha direção. Droga.

Eu desviei e corri até a porta, onde novamente desviei enquanto a garrafa se quebrava em minúsculos pedaços, fazendo um alto barulhoao se chocar contra a porta.

- para com essa merda Zayn! Até quando isso vai continuar? - eu o empurrei novamente gritando. - eu não aguento mais! - exclamei explodindo de raiva. O empurrei mais um série de vezes.

- foi você quem começou. - empurrou seu dedo indicador ao meu peito.

- você que chegou bêbado Zayn! - choramingo. - e pra ser sincera Zayn. - eu diminuo o tom de voz. - eu te odeio. - digo saindo da cozinha, caminho até o quarto, onde soco a porta com força, tranco a mesma e escorrego por ela,



deixando as lágrimas escorrerem, tentando de algum modo, fazer com que a dor que eu sinto deixar meu coração.


***


Acordei com as batidas fortes da porta, juntamente com os gritos.

- Seunome! Abre a porta! - Zayn implora. Eu sonolenta não respondo. Me sento no chão, coçando os olhos então percebo que já era dia. - Seunome! - Zayn torna a gritar.

- o que você quer? - eu grito de vez, bufando e me aproximando da porta.

- abre a porta. - ele diz, extremamente calmo, o que me espantou, Zayn não era o tipo de cara que fala baixo, e sim que já sai gritando por ai.

- Zayn vai embora vai. - resmunguei colocando a mão na maçaneta.

- por favor amor! - ele exclama batendo mais uma vez.

- não me chama de amor! - gritei socando a porta.

- Seunome Bane! - ele grita, eu sabia que não demoraria para que para que ele gritasse.

- Zayn Malik. - disse seca.

- abre. - ele diz baixo, tom diferente do último. - por favor. - ele sussurra.

meu coração mole palpita e eu giro a chave, a abrindo, em questão de segundos ele se agarra a mim. Eu cedo mas não retribuo.

- por favor, me desculpa pequena.. - ele diz me abraçando cada vez mais forte.

- eu não aguento mais. - digo me soltando dele.

- por favor, todos nós cometemos erros. - ele diz acariciando meu rosto, onde havia batido noite passada.

- é. - eu dizia. - pessoas normais cometem erros, mas não o cometem mais, e o seu problema é que você não para. - me afasto dele, retirando suas mãos do meu rosto.

- por favor! É a última chance! - ele implora, seguindo a frente, me prensando contra a parede.

- Zayn... Eu... - sussurro exalando seu perfume, enquanto me fitava com seus olhos, que pareciam perfurar os meus.

- por favor. - ele dizia ao pé do meu ouvido, fazendo calafrios me invadirem.

- Zayn para. - eu digo suspirando. - você sabe que... - ele beija meu pescoço. - que eu não aguento quando você faz isso. - sem força alguma para continuar a me debater contra ele, eu o puxo, fazendo nossos lábios colarem, dando inicio a um beijo que eu senti falta.


***

Estava largada no sofá, como sempre fazia, esperava Zayn chegar do trabalho e rezava para que ele não estivesse alterado como ontem, se ele chegasse assim, não pensaria nem duas vezes em fugir.

A campainha tocou e ansiosamente eu corri até a porta correndo.

- Zayn! - gritei e ele sorriu.

- olá pequena. - ele disse enquanto me selava e entrava em casa.

- como foi seu dia? - pergunto sorrindo de orelha a orelha.

- foi ótimo. - ele dizia se jogando no sofá, exatamente como eu. - melhor agora. - ele me puxa, me beijando como hoje mais cedo.


***


Deveria ser umas 2 da manhã, eu estava acordada, ninguém além de mim estava na cama. Não percebi quando quando Zayn saiu, mas foi a bastante tempo.

Levantei-me da cama, esperando encontrar Zayn no banheiro, mas naquele cómodo não havia ninguém. Abri a porta e me direcionei até a cozinha, abri porta de correr, lá não havia ninguém. Apenas bagunça.

- mas o que aconteceu aqui? - pergunto-me vendo garrafas de bebida estilhaçadas no chão e o resto da cozinha revirada.

Naquele mesmo instante comecei a escutar um barulho, não muito longe, provavelmente da vadia da Ammy, minha vizinha que toda noite trazia um cara diferente pra cama.

Caminhei desviando dos caos de vidro e parei na janela e abri devagar mente.

E só descontrair era o... Zayn?

Ele escorregava sua mão por toda a estenção do corpo dela, a beijando tão selvagemente que achei que ele fosse a engolir. Minha boca se abriu  em um perfeito O, eu mordi meu lábio inferior com tanta raiva que o fez rasgar, fitava aquela cena enquanto lágrimas se formavam nos meus olhos.

Sem forças para gritar ou talvez quebrar algo eu escorrego pela parede, odiando a mim mesma por ter acreditado em Zayn. ,as de uma coisa eu sei, amanhã de manhã, eu já não estarei aqui.


***

Assim que percebi que não iria adiantar ficar ali chorando por causa da pessoa que eu mais amei, me levanto, enxugo meu rosto, caminho até o quarto, e sem perder tempo arrumo minhas coisas. Deixo a mala na sala e pego um papel e uma caneta e ali eu desconto toda a minha raiva. Tirei o anel de brilhantes que estava no meu dedo anelar com agressividade, atirei o mesmo no chão juntamente com o papel, funguei enquanto secava uma lágrima que insistia em escorrer, peguei minha mala e para que minha vingança fosse cumprisse, peguei todo o dinheiro que Zayn economizava e levei embora.

Tomei cuidado para que ele não me escutasse descendo as escadas, peguei um táxi que me levou até minha antiga casa, que era da onde eu jamais deveria ter saído, pois dês de que a abandonei as coisas só pioraram.


***


Depois de uma noite mal dormida, eu me encontrava na cozinha, comendo a pouca comida que ali restava, mesmo sentindo aquela ânsia sobre mim. Assim que terminei, caminhei até a sala, que estava completamente calma e vazia, como sempre fora, Zayn quase nunca parava em casa, e agora eu sei o real motivo.

Coloque para tocar *-*

Mergulhando em um vazio de um passado presente eu me deito no sofá, encarando o teto, como sempre fiz. Meu coração quase sai pela boca quando escuto o barulho forte da porta sendo batida.

- pode me explicar o que é isso? - Zayn grita, de algum modo ela consegue destrancar a porta. Eu me levanto num impulso.

- quem você pensa que é? - grito o fitando com raiva.

- o que é isso?! - ele diz nervoso enquanto segurava o anel e o papel que havia deixado noite passada.

- você entendeu muito bem. Zayn. - digo o mais raivosa possível. Com os punhos cerrados fortemente.

- explique-se no caminho. - ele puxa meu braço mas eu recuo.

- quem disse que eu irei com você? - replico revirando os olhos.

- eu! - ele responde e me puxa novamente, eu recuo dizendo:

- ME LARGA! - grito.

- me diz! - ele joga o anel juntamente com o anel no chão.

- te dizer o que? - pergunto dando um passo para trás.

- por que! Por que saiu de casa no meio da noite! Por que escreveu tudo aquilo?! - ele pergunta dando passos a minha direção, eu recuo trobando em algo. Sem responder eu corro para a cozinha, ele não corre porém da passos largos.

- vai! Abre essa boca! - ele cuspi as palavras sobre mim. Me apavoro quando toco o balcão o que significava que não tinha mais saída. - ficou muda agora? - ele diz furiosamente calmo.

- vai embora! - grito tão alto que me surpreendo comigo mesma.

- não até me dizer! - ele me ameaça.

- você ainda tem coragem seu cachorro! - eu grito atirando-o uma garrafa de vinho vazia que encontrava-se na mesa. A garrafa voou e bateu em seu ombro, e como se ele fosse de ferro, a mesma ao toca-lo se quebrou, deixando apenas os cacos presentes.

- então quer jogar sujo, é? - ele me ameaça e corre em minha direção e agarra meus pulsos eu tentei sair mais ele finca suas unhas nos mesmos.

- ta doendo! - explodo arranhando forte seus punhos.

- ah! - ele solta meus pulsos sentindo a dor das minhas unhas. Eu tento sair, mais ele me tranca, impedindo minha saída. - diz! - ele grita explodindo sua paciência.

- você... - eu digo fracamente. - você me traiu com a vadia da Ammy! Como você pode! - eu grito deixando a raiva ecoar pela cozinha. - eu te amava Zayn! - choramingo e ele segura meus braços. Eu prometi a mim mesma para não chorar na frente dele, mas naquele momento, a promessa não valeu por nada. Zayn respirava fundo, tentando buscar forças de um local que desconheço. - você... - digo com a voz tremula. - você é um hipócrita! - sussurro, pois a minha voz não tinha forças suficientes para gritar. - cachorro! Você me fez acreditar em você! Olha o que você fez comigo! - junto as forças do meu corpo todo e grito. deixando lágrimas desabarem dos meus olhos. Escorrego pelo balcão, ele solta meus braços lentamente, e pela primeira vez em anos, eu o vejo chorar.

Ele cai no chão gelado como eu. Provavelmente remoendo todas as minhas palavras ditas. O silêncio parecia reinar aquele lugar, por vários minutos, onde o único som, era dos meus soluços.

- Seunome. - Zayn me chama, fungo rolando os olhos ao encontro dos dele, eu não respondo. - Eu te amo. - ele diz e eu o olho incrédula. ele se aproxima, eu recuo como um gato assustado.

- como ainda tem coragem de dizer isso? - eu pergunto baixo, num sussurro.

- é a verdade. - ele se senta ao meu lado, tocando minha mão.

- não me toca. - digo retirando minha mão do encontro da sua. - não consigo acreditar no que diz.

- mas é a pura verdade. - ele diz baixo.

- como pode ser tão siníco? - penso alto.

- eu. te. amo. - ele diz pausadamente. Provavelmente perdendo sua paciência de vez.

- não importa. -digo firmemente. - você e nada são a mesma coisa, você tem um coração de pedra, não se importa com nada nem ninguém além de você. - sussurro e uma lágrima escorre.

- eu me importo muito com você! - ele diz.

- não! Você não se importa! Você me fez de idiota! - o corto. - Zayn cala a boca e vai embora! - me levanto. Zayn se levanta.

- Seunome. - ele diz manhoso. - acredita em mim. - ele implora.

- amo o jeito em que você mente. - digo sarcasticamente.

- você tem todo o direito de estar brava comigo.

- eu tenho mesmo. - emburrei fungando. Zayn posicionou suas mãos sobre o balcão trancando minha passagem. Chegando muito perto de mim.

- mas por favor, agora nesse momento, a verdade reina sobre mim. E se eu digo que te amo, eu não estou mentindo. - diz acariciando meu rosto.

- eu vejo nos seus olhos Zayn. - pouso minha mão sobre a sua. - você mente. - bruscamente tiro sua mão do meu rosto, as levando para baixo.

Sem que eu aprovasse, Zayn junta nossos lábios, no começo eu não retribuo, mas Zayn tem um certo poder sobre mim, envolvi minhas mãos em sua nunca, deixando-o tocar as laterais do meu corpo. Ao finalizar o beijo com um selinho demorado nos separamos, suspirei.

- ta vendo? É por isso que eu quero você longe de mim. - digo e ele me fita.

- nós nos amamos, pra que ficar longe de você? - ele pergunta sem entender.

- Zayn.. - digo. - sinto muito mas... - suspiro. - eu não te amo mais. - digo sem feição alguma.

- você me ama sim! - ele diz voltando a mesma posição que estava antes do beijo.

- não me force a dizer algo que não sinto. - me afasto dele.

- Seunome! Eu te amo muito! Não sei como explicar, por que ta aqui dentro! - ele puxa minha mão, levanto até seu coração. - ta vendo, ele bate forte toda vez que te vejo assim, eu sei que errei mas.. - ele solta minha mão, porém pega de novo, dessa vez as duas, virou-as, deixando a mostra meus pulsos, com as marcas de suas unhas. - me desculpe por isso.. - ele beija cada um deles. - me desculpe por quebrar seu coração, por te fazer sofrer. - ele beija de leve, meu busto, pouco acima do seio. Ele beija minha bochecha. - desculpe por te machucar. - antes que ele me beijasse eu desvio.

- Zayn... - digo. - prove que ama.. - termino a frase olhando em seus olhos cor de mel.


***


Eu não via Zayn a quase uma semana, imagens dele iam e viam, e eu poderiam considerar que estava louca de vez.

Via alguma besteira na TV, enquanto escutava o barulho da chuva do lado de fora, quando escuto três batidas na porta, meu coração palpita pensando ser Zayn, mas ai pensei, se ele não veio até hoje, concerteza não era ele.

Minha hipótese foi confirmada, quando vejo Tell pelo olho mágico.

- oi Tell. - digo sem animação.

- nossa que felicidade. - ele diz sarcástico.

- o que quer? - eu pergunto.

- ta assim por causa do Zayn? - ele pergunta.

- sim Tell.. O que? Não... Eu... - digo gaguejando.

- Seunome não minta. - incrível como meu melhor amigo sabe mais do que mesma sobre mim.

- ta Tell. Era isso que queria ouvir? Eu amo Zayn Malik... Mas não sei se devo voltar pra ele.. - me jogou no sofá.

- enfim foi pra isso que eu vim..

- ta dando um de psicólogo? - pergunto sendo irônica.

- não Seunome, Zayn me pediu pra te dar isso. - ele estica a mão, abrindo então vejo o anel de noivado.

- pra que? - pego da sua mão me sentando.

- e também pediu pra te dar isso. - ele me entrega um CD, ignorando minha ultima pergunta.

- tudo bem, sabe o que é? - pergunto.

- não sei. - ele responde suspirando. - eu vou nessa. - diz.

- tchau Tell. - caminho junto a ele até a porta, abro e ele sai, eu tranco de volta olhando pro CD, capa verde e o CD branco. Eu não iria escutar, mas a minha vontade era de sair correndo e colocar no som.


***


Naquela mesma noite eu estava preparando-me para dormir. Tomei aquele banho relaxante calmo, quando sai do banheiro foi quando CD que Tell trouxe hoje laminou com a luz da iluminaria, ainda de toalha caminhei até ele, olhei  e pensei o que estaria gravado nele.

Eu me troquei colocando meu pijama, peguei o CD e coloquei para tocar. No início ninguém dizia nada, eram apenas os suspiros de Zayn. Assim que me deitei na cama ele início a falar.

"Seunome... Se estiver escutando isso peço que não desligue até terminar, por que o que eu tenho pra dizer é muito importante.. - sua voz era rouca, e parecia ter acabado de chorar. - nesse momento você deve estar uma fera comigo, e nem se quer quer ouvir minha voz mas.. - na verdade eu quero muito que ele estivesse aqui. - mas.. Mesmo que não acredite em mim eu amo você de todo meu coração, é uma coisa que eu não consigo explicar, eu sei que errei, cometi grandes erros que machucaram seu coração mas eu cai na tentação e não pensei nas consequências, e como elas são terríveis, eu poderia fazer qualquer coisa, for penado por qualquer coisa, mas todas com você ao meu lado... Tenho certeza que você não quer nem ouvir o meu nome mas... Zayn Malik que te ama, e te quer ao lado dele... Aquele dia em que brigamos, eu confesso que estava bêbado, não tinha controle sobre mim, por isso cometi os grandes erros, por mim você deveria ter se trancado, meu amor a culpa foi toda minha e eu me envergonho disso, me envergonho de ter caído na tentação da Ammy.. Naquela manhã eu estava decidido não cometer mais erros, eu queria viver feliz com você, mas eu não pude.. Não pude evitar... Você é a minha rainha, e seu rei te espera no nosso castelo encantado... Se eu ganhasse na loteria e tivesse que escolher entre o dinheiro e você, eu escolheria você por eu prefiro passar fome do que ficar sem ver o seu sorriso ou ouvir sua voz, juro que se você não acreditar em mim e quiser seguir sua vida, eu tiro a minha, por que não há razão para se viver sem você... Com muito amor Zayn Malik, o cara que você disse que amava, e o cara que respondeu que te amava também...


Ao fim do som gravado, não tinha dúvidas que havia inundado o quarto, Zayn realmente me amava e eu cometi um grande erro em tentar esquece-lo.

Caminhei pelo quarto, coloquei essa roupa e sai desesperadamente atrás de uma táxi. Assim que consegui um, ele me conduziu até minha casa, onde sem perder tempo entrei pelo elevador rezando para que ele fosse logo, assim que abriu eu sai correndo, corri até o fim do corredor onde era nosso apartamento, peguei as chaves no bolso, abri e fechei a porta correndo.

- Zayn! - eu grito, minha voz sai tremula, eu choramingo, caminhando até a cozinha. - Zayn! - eu grito quando o vejo segurando uma faca perto do pescoço, eu grito alguma coisa sem nexo enquanto ele me olha. - o que você ta fazendo? - eu digo retirando a faca de sua mão, a jogando longe.

- Você me ama? - ele pergunta fracamente.

- sim, Zayn eu te amo! - exclamo o segurando pela nunca.

- tem certeza? - ele olha nos meus olhos, tendo um contorno vermelho nos olhos.

- tenho meu amor, sua rainha veio ver o seu rei... Assim ambos ficam felizes.. - eu digo com um sorriso nos lábios, ele abre um sorriso nos lábios, o que me levou a beija-lo, dessa vez com vontade e desejo... - eu amo o jeito com que você mente Zayn.. - eu digo acariciando sua rosto.

- mas eu não estava mentindo.. - ele diz abaixando o olhar.

- eu sei que não estava, mas é só pra ressaltar.. - eu digo o olhando nos olhos.

Talvez Zayn não estivesse dizendo a verdade, mas pra mim não era o que realmente importava, o que importava agora era que nós estávamos juntos, e nada nem ninguém iria nos separar, nem mesmo as traições, brigas e gritos, ele me amava, e eu também o amava, o que é o suficiente para que duas pessoas fiquem juntas...

------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Oi gente linda! Tudo bem??

Bom, eu havia dito que voltaria na quinta ou na sexta não foi? Então é que eu tive que fazer muitas coisas e nem deu pra vim com as fics... Mas ta ai, eu espero que tenham gostado no interativo... eu demorei muito tempo pra fazê-lo então só deu pra postar hoje.. Espero que gostem fiz com muito carinho isso ai..

Bom, votem na enquete e comentem bastante ok?

Beijinhos ;)

By: Amanda

7 comentários:

  1. Cara? Vc simplesmente é perfeita, vc e oq vc escreve, olha isso? Ta perfeito, vc quer me matar escrevendo essas fics maravilhosas *--*
    Denovo vou dizer q ta perfeito e eu n consigo parar de pensar nela.
    Bjs Xx Nick

    ResponderExcluir
  2. Me emocionei com suas palavras! muito obgd mesmo por comentar meu amor! ;)
    Beijos!
    Amanda *-*

    ResponderExcluir
  3. noossa, eu inundei o mundo agora (drama meu)adoreii, ameei, muito perfeito amei!!! <3

    ~gabiih luuh

    ResponderExcluir
  4. Esse é o melhor imagine do mundo *.* estou emocionada, você é maravilhosa que nem o seu imagine que está perfeito!!!! Um grande bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada amore! Pretendo publicar mais interativos assim... Obrigada por comentar sua lindaa! Beijinhoos

      Excluir
  5. mds quase morri na parte de "ele segurava uma faca perto do pescoço" AMO VC E SEUS IMAGINES

    ResponderExcluir